sábado, 20 de janeiro de 2018

Bolo de Chocolate Toblerone



"Nada se estraga, tudo se transforma". Esta é uma das frases que uso muito e com razão, pois não gosto de estragar ou desperdiçar nada, mesmo nada.
Há pouco tempo ofereceram-me um chocolate Toblerone gigante, eu até gosto do chocolate, mas era tão grande que pensei numa solução mais agradável de o comer partilhando com amigos tão generosa oferta.
Um lanche de Natal "atrasado" seria o mote para levar a surpresa que eu criei. E, assim, numa manhã fria de Janeiro, fui para a cozinha e em modo "alquimista", fui criando a minha receita.
Reduzi a pó o chocolate, juntei cerca de metade do peso do chocolate em farinha, equilibrei o doce com uma quantidade mínima de açúcar de côco e para dar volume, nada como juntar 5 ovos. Por fim, tinha que ter alguma gordura, ao qual juntei apenas 160g de manteiga sem sal.
Como a Bimby tem sido uma excelente ajudante nas minhas criações, esta foi mais uma. Às vezes, penso que deveria guardar estas ideias só para mim e, sei que ao publicar aqui ficam à mercê de gente com poucos escrúpulos, que se apropria do que outros fazem, tendo eles o proveito ( já aconteceu com a minha receita de queques de Bolo Rei) que depois de eu ter publicado, apareceu num livro editado pela Bimby anos mais tarde.... faz parte! No entanto, continuo a partilhar o que faço, pois faço-o desinteressadamente, de consciência tranquila, entendendo que há pessoas como eu que gostam de aprender e que partilham também os seus conhecimentos.
Seguindo a máxima de que o que é bom, é para divulgar, sendo este bolo delicioso e como cumpro a palavra aos meus seguidores, aqui fica a minha receita! Espero que gostem e partilhem comigo o vosso resultado.

Acabado de sair do forno, a arrefecer antes de desenformar

Ingredientes:
200g de chocolate Toblerone
110g de farinha para bolos
75g de açúcar de coco ( usei porque tinha em casa, mas pode usar açúcar amarelo)
5 ovos
160g manteiga sem sal
2 c.chá (rasas) de fermento para bolos.
1 pitada de sal

Preparação:
1.Pré-aquecer o forno a 170ºC. Forrar com papel vegetal uma forma de aro amovível.
2.Triturar o chocolate Toblerone, de forma a ficar em pó. Dar uns toques de turbo e depois marcar 5 seg/Vel.9. de modo a ficar pó meio granulado.
3.Retirar para uma taça e juntar a farinha e o fermento em pó. Reservar o preparado seco.
4.No copo da Bimby deitar o açúcar, os ovos e a manteiga. Bater 6 min/ 37ºC/Vel.4.
5.Juntar o preparado seco e envovler 7  seg/Vel.4
6.Levar ao forno cerca de 30 a 35 minutos a 170ºC ( o tempo varia de forno para forno, portanto nada como fazer o teste do palito, que é sempre eficaz). No centro espetar o palito, se vier limpo está bom.
Este bolo ficou fofo. Fiz numa forma de aro amovível, com 24 cm de diâmetro.





Bom Apetite!

@Receita criada, escrita e fotografada por @Romã, se gostar e copiar ao menos divulgue a fonte! 
Muito Obrigada :) 

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

"Reciclar é Poupar" - Couscous dos Reis



O que é bom passa depressa. A azáfama de dezembro culminou no dia de Reis, data que encerra a temporada natalícia. Arrumam-se as decorações, os cartões personalizados de Boas Festas ( que guardo religiosamente os poucos que ainda recebo à moda antiga) e limpa-se os últimos cartuchos. No meu caso, não houve grandes sobras, apenas uma mistura de frutos secos feita por mim com amêndoas, arandos e sultanas douradas,que acabaram num couscous cor de sol, para animar os dias cinzentos.
Couscous dos Reis, assim quis que se chamasse pelo toque exótico dos frutos secos, pela cor vibrante dada pela curcuma ( mais conhecida pelo açafrão-das-índias) e pelo dia que os imaginei como aproveitamento dos poucos que restavam.
No próximo dia de Reis servirá de certeza como acompanhamento de uma refeição sumptuosa, este ano serviu apenas como refeição principal, de um almoço banal no escritório.
Um couscous colorido e rico em sabor que animou um dia triste e cinzento de janeiro.




Ingredientes:
(1 pessoa)

1/2 cháv. de chá de couscous
1/2 cháv de água quente
1 c.chá de curcuma
1 chalota ou cebola pequena (eu gosto muito de usar chalotas agora facilmente disponíveis em qualquer supermercado)
50g de bacon
1/2 cháv. de chá de mistura frutos secos ( arandos, amêndoas, sultanas douradas)
azeite q.b
sal q.b.

Preparação:
Numa taça fazer os couscous:
Deitar os couscous na taça, temperar com a curcuma, o sal e deitar a água a ferver. Tapar ( pode ser com película aderente) e deixar que os couscous absorvam a água por completo (uns 5 minutos)
Entretanto, numa frigideira larga ou wok (eu uso muito o wok para fazer estes preparados) deitar um fio de azeite, a chalota picada e deixar refogar. De seguida, deitar o bacon e mexer deixando o bacon saltear uns minutos junto com a chalota.
Por fim, juntar os frutos secos e envolver, ainda com o lume aceso para que se envolvam no preparado da chalota com o bacon. Apagar o lume e reservar.
Destapar os couscous e com um garfo soltar os grãos de forma a que fiquem bem soltos. Juntar na wok ao preparado e envolver bem com uma colher de pau.
Está pronto a servir.





Bom Apetite!

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Empanadilha XL de Atum


Um novo ano começa e com ele novas ideias e experiências na bagagem, mas uma regra se mantém de pedra e cal na minha vida: Não desperdiçar. E, não desperdiçar é poupar!
Ao abrir o frigorífico deparei-me com um rolo de massa quebrada fresca a terminar o prazo, mas não me estava a apetecer nenhuma quiche. O que fazer? Durante a semana tem que ser algo rápido, pois o tempo e a disponibilidade é mínima. Pensei de imediato nuns rolinhos de  salsicha ( porque não? são bons para levar para o almoço do dia seguinte com sopa) e, foi ao ir à despensa que ao ver uma lata de atum com tomate, se fez luz: 
"Ok, Vou fazer uma empanadilha grande". Assim nasceu a Empalhadilha XL de Atum.
Ai como eu adoro empanadilhas de atum, mas nunca tinha feito. Algo que ando há séculos para experimentar. E, sem pensar muito, saiu esta, feita à minha maneira.
Um preparado simples de chalota, alho, pimento e atum que ficou excelente. Comida quente ou fria, como refeição ou entrada, o salgado ideal para quando não há nada para o jantar. Em meia hora está pronta a comer, a acompanhar uma sopa quentinha, nestes dias frios de inverno, como a que aqui está, ou uma boa salada quando o Verão reinar. 
Deixo a minha primeira sugestão de 2018, simples e rápida dedicada a quem quer perder pouco tempo na cozinha. 

Ingredientes:
(2 pessoas)
1 Placa de massa quebrada fresca
1 lata de atum ( usei atum com tomate da Alva)
1 cebola
1 dente de alho
1 mini-pimento colorido
5 tomates cereja
azeite q.b
vinagre q.b.
sal, pimenta, noz-moscada
oregãos secos

Preparação:
Pré-aquecer o forno a 200º.
Numa frigideira larga, deitar o azeite, a cebola picada e o alho ralado e levar ao lume até amolecer. Entretanto, juntar o pimento picadinho em cubos pequenos ou em juliana e o os tomates cereja cortados e sem as sementes.
Mexer uns minutos. Quando a cebola estiver amolecida, juntar o atum com tomate (se não tiver, juntar atum simples e deitar uma colher de sopa de polpa de tomate. Temperar de sal, pimenta e noz-moscada, deitar um "esguicho" de vinagre e mexer, deixando apurar o preparado.
Não retirar a massa do papel vegetal, Cortar o disco de massa quebrada ao meio. Deitar o preparado e tapar com a metade restante.
Levar num tabuleiro de ir ao forno, fazendo uns furos na massa para o vapor sair.
Forno cerca de 20 minutos até ficar corada.


Cortar a massa ao meio, e colocar o preparado numa das metades

Fechar a meia-lua e unir as pontas fechando com os dedos ou um garfo. Convém picar para o vapor sair.


Assim que saiu do forno.

No prato pronta a comer!


Bom Apetite!

Nota:Receita feita para o jantar de semana, por pouco não havia foto do produto final :)

domingo, 24 de dezembro de 2017

Feliz Natal 2017!


Natal é tempo de renascer, de ter esperança num amanhã melhor!
Votos de um Santo e Feliz Natal a todos os amigos, seguidores e leitores do Bago de Romã.

Arte: João Amaral (c)

sábado, 23 de dezembro de 2017

Bolo de Bolacha Delicioso


Recentemente a minha sogra fez um bolo de bolacha delicioso, eu que nem sou muito amante de bolo de bolacha adorei, e não descansei enquanto não o fizesse. Aliás, este mês foi a minha sobremesa eleita para levar aos almoços com amigos. Leve, doce q.b. e acima de tudo fresca, sim não estamos no Verão, mas acreditem que sabe muito bem apesar de estarmos em pleno mês de Dezembro. 
E, para o dia de Natal, porque não variar. Deixo a minha sugestão:

Ingredientes:
3 pacotes de bolacha maria
2 pacotes de natas frescas para bater
1 lata de leite condensado cozido
3 folhas de gelatina neutra
café forte ( q.b.)
100g amêndoa laminada torrada

Preparação:
1. Antes de começar a preparar a montar o bolo, colocar todos os ingredientes necessários à mão:
Uma taça com o café forte, um recipiente com as bolachas, uma taça para bater as natas e o leite condensado cozido.
2. Hidratar as folhas de gelatina num pouco de água. Escorrê-las e levar ao microondas com um pouco de água para as dissolver de forma a incorporar no creme.
3. Bater as natas até obter um creme.
4. À parte bater o leite condensado com um pouco das natas de forma a homogeneizar o creme antes de o incorporar nas natas. Adicionar às natas entretanto batidas e a gelatina dissolvida e bater mais uns minutos até o leite condensado ficar totalmente envolvido.Reservar
5. Colocar o aro de uma forma redonda no prato onde irá servir o bolo e começar a montar da seguinte forma:
Passar as bolachas pelo café e ir colocando no prato à volta até ficar completo. Colocar uma camada de creme, alisar e repetir o processo até terminar. ( cerca de 6 camadas). Terminar com o creme e polvilhar a gosto. Eu gosto de terminar com amêndoa laminada torrada.
6. Levar ao frio umas 3 horas antes de servir, mas de preferência fazer de véspera, pois fica bem melhor de um dia para o outro.


Torrar a amêndoa numa frigideira anti-aderente



Bom Apetite!

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Filetes de Pescada com Batata-doce e Leite de Côco


Ultimamente as minhas receitas do dia-a-dia são à base do improviso. O tempo para cozinhar é pouco e a disponibilidade mental para tal também. Não tenho parado em casa aos fins-de-semana e, confesso que me faz muita falta, pois são os únicos dias que me posso organizar para a azáfama da semana. Enquanto não há mais tempo, faz-se o que se pode, como o caso destes filetes de pescada inicialmente pensados para acabarem no forno e de repente saem no tacho com batata-doce cozinhados num delicioso molho de caril e coco. Não posso dizer que é caril de pescada, pois dei o meu toque meio mediterrânico, com pimentão doce e polpa de tomate, mas a combinação resultou em cheio e com toda a certeza que será para repetir.


Ingredientes:
(2 pessoas)
400g de filetes de pescada do cabo congelados
1 cebola
2 dentes de alho
azeite q.b.
4 pimentos-mini coloridos
1 c. sopa de caril em pó
1 c. chá Pimentão-doce
Polpa de tomate q.b.
100 ml de leite de côco (1 lata das pequenas)
1 Folha de louro
Batata-Doce (2 a 3 conforme o tamanho)

Preparação:
Temperar antecipadamente os filetes com o alho, sal, pimenta e sumo de limão.
Num tacho largo deitar o azeite a cobrir o fundo, a cebola picada e levar ao lume até a cebola ficar translúcida.
De seguida, juntar os pimentos coloridos em tiras finas e a folha de louro. Mexer.
Entretanto, deitar o caril em pó, o pimentão-doce, e a polpa de tomate, mexendo uns minutos até começar a borbulhar. Deitar um pouco de água e juntar a batata-doce às rodelas grossas. Deitar cozinhar uns minutos. Por fim adicionar os filetes e o leite de coco. Tapar o tacho e deixar cozinhar em lume brando até apurar o molho. Retificar os temperos e servir.



Bom Apetite!



terça-feira, 31 de outubro de 2017

"Sem Peso na Consciência" - Cubos de Frango com Pimento Vermelho na Wok


Porque a vida se faz de coisas simples, uma receita improvisada que saiu num destes dias aqui por casa. Simplesmente delicioso!


Ingredientes:
Para 2 pessoas:
1 Peito de Frango
1/2 pimento vermelho
2 dentes de alho
1 c. chá de pimentão doce
sal, pimenta q.b.
Azeite q.b.
Vinagre Balsâmico
50ml de vinho branco

1. Cortar um peito de frango em tiras grossas e depois em pequenos cubos. Temperar com alho laminado ou picado, o pimentão doce, sal e pimenta. Deitar um fio de azeite e o vinho branco, mexer e reservar. (de preferência de um dia para o outro para ganhar sabor.)
2. Na wok, deitar um fio de azeite e o pimento cortado em cubinhos. Saltear.
3. Juntar de seguida os cubos de frango previamente marinados. Envolver nos pimentos, borrificar com vinagre balsâmico ( mais ou menos uma colher das de sopa) e deixar cozinhar uns 5 minutos até a carne ganhar cor e estar suficientemente cozinhada sem ficar seca.
4. Servir a gosto. Por cá serviu-se com arroz branco e legumes salteados.




Bom Apetite!

sábado, 30 de setembro de 2017

Iscas de Vitela com Tomilho



Ao escrever iscas, sei que muita gente nem vai abrir esta publicação, no entanto fica o registo para quem gostar, e arriscar provar com um "twist" como o do tão aromático e intenso tomilho.

Das miudezas só o fígado sai na minha cozinha, e só à moda da minha avó. De tempos a tempos, e sempre que há fígado fresco no talho não resisto, foi o caso, para variar um pouco a ementa e desta vez para dar uso ao tomilho fresco.

Pois, nada melhor do que como pegar numa receita de sempre e mudar um ingrediente para a renovar. Na verdade, não há nada de novo, pois já partilhei aqui a receita que faço sempre (não mudo nunca, pois só consigo comer as iscas de fígado assim), mas desta vez o tomilho fresco fez-me dar um "twist" à receita habitual e não é que ficaram mesmo divinais!!! Em memória de minha avó que se fosse viva faria este mês, dia 27, 106 anos.


Ingredientes:
4 a  Iscas de fígado bem finas
4 dentes de alho
1 c. chá de pimentão doce (colorau)
sal, pimenta, noz-moscada
1 folha de louro
4 raminhos de tomilho fresco
1 fio de azeite
1,5 a 2 dl de vinho tinto

Preparação.
1. Preparar a marinada ( de preferência de véspera, ou então com 2 horas de antecedência):
Numa taça colocar as iscas de fígado, deitar os alhos cortados às rodelas, temperar de sal, pimenta e noz-moscada, deitar o pimentão-doce, juntar o louro e o tomilho fresco. Por fim regar com o fio de azeite e o vinho tinto. Tapar e levar ao frigorífico.

2. No momento de as fazer, levar ao lume uma frigideira com azeite e um pouco de banha ( é facultativo usar a banha, mas dá um gosto especial e dias não são dias). Quando quente ir deitando as iscas de forma a fritarem. Quando ganharem cor, retirar para um prato e reservar.

3. Na mesma frigideira, deitar a marinada e deixar ferver. Quando começar a reduzir, juntar as iscas e deixar uns minutos a apurar o molho.

4. Gosto de servir com batata cozida ou arroz branco, mas quanto a isso fica ao gosto de cada um.


Bom Apetite!

sábado, 23 de setembro de 2017

Molho de Escabeche da Avó


Não há como o paladar para avivar a memória. E, foi num destes dias ao comprar carapaus pequenos para fritar me lembrei do delicioso molho de escabeche que a minha avó fazia.
Faz anos que não o comia, e de repente dou por mim a ligar à minha mãe a pedir a receita, como ela e só ela sabe fazer.
Não há felicidade maior que replicar passo-a-passo e quando chega a hora da prova final, saborear, fechar os olhos e recordar-me dos refeições preparadas sempre com muito carinho, quer pela avó, que pela mãe. Foi delas que ganhei o gosto pela culinária, pela preparação cuidada das refeições; pois para mim colocar a comida na mesa é um acto de amor, generosidade e partilha.
Para memória futura, nada como guardar aqui, no meu cantinho e, partilhar com quem quiser experimentar, o delicioso molho de escabeche, um molho rico de cebola, avinagrado que abrilhanta qualquer peixe frito, quando ele depois de frio perde a sua graça. Sempre um bom recurso para quando o peixe sobra.
Quem conhece tenho a certeza que também aviva a memória, uma vez que é um prato típico da cozinha tradicional portuguesa, que raramente se faz hoje em dia e que só encontrei como entrada num Restaurante da Beira Alta, o Soadro do Zêzere em Valhelhas (que recomendo pela ementa, atendimento e qualidade). Quem não conhece, arrisque a experimentar que não se vai arrepender, infelizmente as fotos não fazem jus ao sabor do molho! E já agora quando forem à Serra da Estrela, parem em Valhelhas e provem as iguarias boas da região neste Restaurante que conheço desde que abriu e que para mim é de paragem obrigatória.



Ingredientes:
( Para 12 carapaus pequenos ou 4 postas de peixe fritas)
Azeite ( 150 ml)
cebola ( 1 cebola grande)
Alho (1 dente de alho grande)
1 folha de louro
Água q.b.
Sal q.b.
Colorau ou pimentão-doce (1 c. chá)
Vinagre

Preparação:
Num tacho ou caçarola pequena deitar uma quantidade de azeite de forma a cobrir o fundo, a cebola cortada em meias-luas, o alho esmagado e a folha de louro.
Quando a cebola ficar translúcida, deitar um pouco de água para que a cebola fique bem cozinhada, sem queimar e também para fazer molho.
Aqui deitar o colorau e mexer. Deixar cozinhar mais uns minutos para apurar o molho. No fim deitar o vinagre a gosto.
Convém ficar com líquido suficiente para fazer molho. Deitar sobre o peixe de forma a ficarem bem cobertos pelo molho.
Acompanhar a gosto (eu gosto com batata cozida ou arroz de tomate ou pimento, legume cozidos ou salada).
Se não forem feitos para consumir mais tarde.Comem-se bem sem aquecer.
Caso sejam guardados no frigorífico, retirar do frio com antecedência, ou então aquecer ligeiramente no micro-ondas.

Nota:Este molho é excelente para conservar o peixe frito durante uns dias. Estes carapaus foram fritos no domingo para o almoço e comprei maior quantidade a contar com mais uma refeição. Os que sobraram foram colocados num recipiente, em camadas, sendo que o molho é colocado entre cada camada.
Ficam cobertos com a cebola. Conservam-se durante 2 a 3 dias, pois este método era utilizado antigamente para conservar o peixe frito, tornando-o mais saboroso cada dia que passa.




Bom Apetite!

terça-feira, 29 de agosto de 2017

"Combinações Improváveis" - Feijão-Verde Guisado com Pescada


"A necessidade aguça o engenho" foi o mote num dia de semana enquanto pensava o que levaria na marmita para o almoço do dia seguinte.
Uma mão-cheia de feijão-verde e uma posta de pescada, restavam na travessa após um jantar leve de peixe cozido e legumes ao vapor. (Sim, eu gosto de cozer sempre uma posta de peixe a mais, que serve para eu fazer outra refeição para mim). Daqui podia ter saído uma salada fria, mas como tinha tomate maduro na fruteira (fica a dica: o tomate não deve ser guardado no frigorífico) ocorreu-me fazer tipo feijão guisado. Foi um risco, não sabia se combinava bem, mas lá diz o ditado que "quem arrisca não petisca" e eu petisquei e digo-vos que ficou bem saboroso!
Fica mais uma dica para aproveitar peixe cozido de sobra, e para quem não é amante de peixe cozido, esta mistura de feijão-verde, tomate temperada com uma pitada de açafrão das índias ou curcuma faz toda a diferença, tornando-o numa festa para o palato.
Assim, nasceu para mim uma combinação improvável, que irá ser repetida aqui por casa.
Espero que gostem e arrisquem!

Ingredientes:
( 1 Pessoa)

1 posta de pescada ( previamente cozida ao vapor)
300g de feijão-verde ( previamente cozido ao vapor.pois fica mais rijo)
1 tomate médio maduro
1 cebola pequena
1 dente de alho
1 c. chá açafrão das índias ou curcuma
1 folha de louro
Azeite
sal, pimenta
vinho branco

Preparação:
Num tacho pequeno deitar um fio de azeite e levar a cebola e o alho a refogar. Deitar o açafrão e mexer.
Adicionar o tomate aos cubos, a folha de louro, envolver e deixar cozinhar uns minutos.
De seguida, juntar o feijão-verde cozido, deitar o vinho branco e um pouco de água. 
Temperar de sal, pimenta e deixar levantar fervura. Cozinhar cerca de 15 minutos. 
Quando o molho começar a ficar apurado, colocar a pescada lascada e deixar apurar mais uns minutos em lume brando, para o peixe tomar o gosto do molho.




Bom Apetite!