quarta-feira, 20 de abril de 2011

Salada de Feijão Frade à Moda da Minha Mãe


Há dias a minha mãe fez-me um almoço, daqueles que me fazem viajar no tempo, à minha infância: Carapauzinhos fritos, ou mais conhecidos, como jaquinzinhos fritos, acompanhados com salada de feijão frade (à sua moda). Como ela sabe que raramente frito peixe em casa, deu-me este miminho.

Servida como acompanhamento, prato principal ou para aproveitamento de  legumes cozidos, que tenham sobrado da refeição anterior, temos assim uma excelente alternativa, rápida, nutritiva e acima de tudo saudável, aos habituais acompanhamentos.

Ingredientes:
 ( Para 4 pessoas)
1 lata pequena ou frasco de Feijão Frade
2 a 4 Batatas ( dependendo do tamanho)
1 Cenoura
2 Ovos
Azeite q.b.
Vinagre q.b.( usei o Balsâmico)
Sal q.b.

Preparação:
Cozer, as batatas, cenouras e os ovos. Deixar arrefecer.

Numa taça, deitar o feijão frade, juntar a batata e a cenoura cozida em cubos e o ovo picado.

Temperar a gosto. Eu temperei com sal, azeite e vinagre balsâmico, apenas na hora de servir.

Acompanhei com Douradinhos de Salmão feitos no forno.

Bom Apetite !

8 comentários:

  1. Que bela saladinha.... estas comidinhas "de mãe" são sempre uma maravilha!!!!

    ResponderEliminar
  2. AS COMIDAS DAS NOSSAS MÃES SÃO SEMPRE TÃO BOAS.
    BJS

    ResponderEliminar
  3. Olá,

    Passei para desejar uma Santa Páscoa, para ti e toda a tua familia.

    Beijos
    Maria José

    ResponderEliminar
  4. Olá,

    Adoro este tipo de saladas. Ainda há uns dias também fiz uma saladinha idêntica (está em lista de espera para publicar lol)

    Feliz Pascoa! Beijo da Carla

    ResponderEliminar
  5. Fazemos frequentemente cá em casa, é uma delícia :)
    K óptimo aspecto
    beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Muito saborosa, eu como sou gulosa tinha que pôr maionaise!

    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Alcançar a essência dos sabores é entrar em sintonia com lembranças guardadas em arquivos que criamos para preservar nossas memórias mais tenras. O cheiro de quintal lá da infância da gente, o gosto do almoço caprichado aos domingos, as conversas com a mãe à beira do fogão, o café da manhã com pão quentinho, os sonhos partilhados, o cheiro de feijão cozinhando na panela, o aroma de erva colhida na hora, um finalzinho de tarde com encanto. Tudo isso é despertado quando conseguimos reproduzir o sabor de pequeninos gestos tecidos a luz do cotidiano de uma cozinha afetiva.

    ResponderEliminar